PRAGAS DE A a Z - Introdução

Créditos: EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Joana Maria Santos Ferreira - Editora Técnica

A presença de uma praga na lavoura pode representar sérias perdas econômicas em diversas explorações agrícolas e refletir negativamente na rentabilidade de produtor rural. A cultura do coqueiro é uma espécie de palmeira rústica, mas bastante sensível à ação de diversas pragas. No sistema extrativista ou semi-extrativista em que o coqueiro é cultivado, ao longo de muitas décadas, na baixada litorânea (zona tradicional), notava-se um equilíbrio maior em sua entomofauna. Nos dias atuais, a adoção pelos novos produtores de um sistema de cultivo mais intensivo transformou em prática comum a utilização indiscriminada de um grande número de defensivos agrícolas no combate às pragas e de práticas culturais consideradas um pouco abusiva e indiscriminada torna as pragas cada vez mais resistentes aos resíduos químicos para os quais são continuamente expostas e contribui para a ocorrência de surtos cada vez mais constantes e graves dentro da plantação.

Os sinais deixados nos diversos órgãos da planta são bem característicos de cada espécie. Por isso, é de fundamental importância que o produtor, o viverista, o gerente ou o encarregado de uma plantação de coqueiro saibam identificar corretamente as principais pragas da cultura, bem como os danos que elas provocam, para poder diferenciá-los de outros sintomas que as plantas podem apresentar, como distúrbios fisiológicos, nutricionais e doenças.

Esta área do site apresenta as principais pragas da cultura do coqueiro no Brasil, de A a Z, como brocas, desfolhadores, sugadores, raspadores e ácaros, entre outros, podendo torna-se uma valiosa ferramenta na correta identificação das espécies daninhas presentes na plantação, por ocasião da prática do monitoramento preconizado pelo programa da Produção Integrada de Frutas (PIF), que permite tanto a detecção precoce das pragas, como a definição de onde estão vivendo, para onde estão indo, de onde estão vindo e onde estão procriando.

A publicação é enriquecida por um acervo de fotografias, que mostram a praga em suas diversas fases de desenvolvimento, os respectivos danos que causam à órgãos específicos da planta, além de conter descrições simples sobre a bioecologia, as plantas hospedeiras, a distribuição geográfica, os métodos de amostragem e as táticas de controle recomendadas para cada uma, de forma a apoiar e esclarecer todos os seus usuários no momento de uma tomada de decisão. Nela são enfatizados métodos químicos de controle, métodos alternativos a exemplo de feromônios e biopesticidas, e também recomendações para erradicação de hospedeiros doentes ou mortos, retirada e queima das partes vegetais afetadas, todos voltados a viabilizar um sistema de produção integrado que permita a racionalização dos custos de produção e a redução da utilização de insumos externos, proporcionando assim maior sustentabilidade à produção nas diversas regiões do Brasil nas quais o coqueiro é cultivado.

Produtos com permissão para uso na cultura do coqueiro (raros) estão contidos na Grade de Agroquímicos.

 

SINDCOCO © 2012

Sub sede: Av. Barbosa Lima nº 149, Edifício Alfredo Fernandes, 3º andar, Salas 307/308 – Recife Antigo
CEP 50.030-330 Recife – Pernambuco
E-mail: sindcoco@ig.com.br
Fones: (81) 3224-0344/3224-2638